2013-04-01 - O que mudou na economi
O que mudou na economia e o que esperar nos próximos 7 anos. O economista Ricardo Amorim fala sobre passado, presente e futuro para as empresas no Brasil, dando início a série especial em comemoração aos sete anos do Mundo do Marketing Por Bruno Mello e Luísa Medeiros A crise nos Estados Unidos e na Europa, somada à ascensão de mais de 55 milhões de brasileiros para as classes A, B e C e o acréscimo mundial de mais de 400 milhões de pessoas à nova classe média foram fatores que contribuíram para um cenário favorável ao crescimento dos países emergentes, inclusive o Brasil, nos últimos sete anos. Mesmo diante deste cenário de prosperidade, o próximo período de sete anos se anuncia mais cauteloso do que o anterior. Demanda por geração de emprego, alto custo de produção interna causada por valorização cambial e risco de inflação são alguns dos fatores que devem desacelerar o crescimento. Este cenário, porém, não significa retrocesso. A crise dos países ricos, sem previsão de recuperação em curto prazo, deve servir de suporte para que as nações emergentes, como o Brasil, se aproximem das desenvolvidos. “As diferenças estão ficando menores, os países ricos estão estagnados. O mesmo mecanismo acontece internamente: o interior cresce mais que as capitais, o que propicia o equilíbrio”, analisa Ricardo Amorim, Economista e Presidente da Ricam Consultoria, em entrevista ao Mundo do Marketing.